Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Artigo publicado na última edição do jornal "Correio de Albergaria".

por alho_politicamente_incorreto, em 29.01.13

Esta Albergaria acossada

Por José Manuel Alho

À falta de melhores protagonistas, Portugal inaugurou 2013 com forçada disponibilidade para fúteis penitências de Canossa. Na aurora de um novo ano, emergiu Pépa Xavier, essa provável blogueira da moda nacional, com aquele singular sotaque português que Herman José já contextualizou. Explicou o humorista que, pela década de sessenta, o pessoal queque da grande capital, armando-se em afilhados de Champalimaud, forjou a pronúncia em que os lábios não mexem e o som sai arranhado da garganta. Um feito com efeito(s) inaudito(s).

Porque (não recomendo leitura apressada) a Pépa quer uma mala, o País sucumbiu, indignado, à frivolidade de quem, ganhando 700 €uros, almeja ter uma bolsa "Chanel" preta, clássica, que pode custar mais de cinco mil euros.

Lá no fundo, estamos mais rodeados de Pépas do que julgamos mas decidimos embirrar com esta só porque… correu mal. Na verdade, muito mal.

"E o Cine-Teatro Alba? Mais de 3330 00 euros apenas com programação, valor esse que não inclui sequer ordenados, água, luz, gás (…)” (In Opinião, por Delfim Bismarck, pág. 3).

No meio deste turbilhão extrapolado pelas redes sociais, de contornos virais, também eu me reconheço com baixa tolerância a uma certa lógica de trincheira(s) onde a coisa pública acaba invariavelmente (muito) mal tratada. Para o efeito, destaco, sem necessidade de outros complementos, excertos do que foi dado à estampa pela última edição do “Correio de Albergaria”, de 9 de janeiro passado:

  • “”(…) nos últimos quinze dias procurámos, por diversas vezes, contactar o presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha, João Agostinho Pereira, para que nos desse uma entrevista (…). Não tendo tido qualquer resposta, resta-nos concluir como o presidente da edilidade encara a existência do único órgão comunicação sediado no concelho.” (In Editorial, pág. 2).
  • “(…) cujo presidente (n.d.r. João Agostinho Pereira), mais uma vez, não respondeu à maior parte das perguntas feitas pela oposição (…)” (In pág. 2).
  • “A autarquia há alguns anos que deixou de enviar para os órgãos de comunicação a Ordem de Trabalhos destas assembleias (…)” (n.d.r. para aprovação dos Orçamentos e das Grandes Opções do Plano do Município). “Verifica-se haver um atraso na ampliação da Zona Industrial em cerca de 50%.” “Claro que mais de 100 000 euros de publicidade institucional (…)” “Também o Mercado Municipal foi bafejado (…) a simbólica quantia de 14 000 euros, para obras de beneficiação em 2013.” “E o Cine-Teatro Alba? Mais de 3330 00 euros apenas com programação, valor esse que não inclui sequer ordenados, água, luz, gás (…)” (In Opinião, por Delfim Bismarck, pág. 3).
  • “Mas esta proposta (n.d.r de agregação freguesias) não interessava a quem está no poder e, por isso, a proposta apresentada era bem mais vantajosa para os »laranjas».” (In Opinião, de Miguel Cunha, Pág. 4).
  • “Também o arranjo da Praça Alameda 5 de Outubro merece uma referência. Primeiro pela não existência de um concurso público, atribuindo-se, uma vez mais, sem concurso, a obra a um autor sem grandes referências (…)” (In Reportagem, pág. 6, reproduzindo intervenção de Delfim Bismarck).
  • “Receitas do Cine-Teatro não são conhecidas” “Desde »recados» do presidente da Assembleia Municipal a quem escreve no Facebook (…) e porque não ao pedido do presidente da autarquia para que o jornalista do CA parasse de tirar fotos à sessão.” “Rogério Camões, presidente da Assembleia Municipal, num forte »recado» para a opsição. »Se pensam que é através de posts no facebook que me calam, estão bem enganados, porque eu sou membro eleito pelo que posso emitir opiniões quando bem me apetecer» (…)” (In Reportagem, pág. 7).

Basta. Confesso-me perplexo com esta Albergaria aparentemente acossada com o escrutínio público, agitada pela inabilidade para lidar com a diversidade onde alguns eleitos reclamarão uma liberdade de expressão e de ação que parecem muitas vezes negar a quem (eleito ou não) ousa pensar diferentemente da linha dominante. Há tempo e espaço para todos.

Se calhar, fruto do desgaste acumulado e absolutamente compreensível, como diria a “blogger Chanel”, haverá gente a “precisar de tempo, tempo pessoal” até porque “para 2013, desejo: 2013 pode ser um ano de sorte ou de azar, não é? Espero que seja de muita sorte. Quero muita sorte para 2013. É o meu primeiro desejo – muita sorte.”

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)

A maior parte dos professores perderão mais de dois salários em 2013.

por alho_politicamente_incorreto, em 21.01.13

Salários dos professores em 2013

Retirado daqui (Blog Pé-ante-pé)

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por alho_politicamente_incorreto, em 20.01.13

TRÊS FRASES...

Do mês, do ano e da década!

 

A FRASE DO MÊS:

"Antigamente as mulheres cozinhavam como a mãe... Hoje, bebem como o pai!"

 

A FRASE DO ANO:

"Antigamente os traseiros andavam dentro das cuecas... Hoje em dia, as cuecas andam dentro do traseiro...!"

 

A FRASE DA DÉCADA:

"Antigamente, os cartazes nas ruas, com rosto de criminosos, ofereciam recompensas; hoje em dia, pedem que votem neles"!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Simulações disponibilizadas pelo ad duo

por alho_politicamente_incorreto, em 19.01.13

Novo vencimento em 2013


para pessoal docente e


não docente



Autoria e outros dados (tags, etc)

Um sofrimento muitas vezes solitário e silencioso.

por alho_politicamente_incorreto, em 17.01.13

O aluno com Dislexia

São cada vez mais os casos de pais que acorrem até mim para fazer uma avaliação compreensiva de dislexia do seu filho(a).
Chegam a maior parte das vezes com o coração demasiado apertado dizendo que já não sabem mais o que fazer. É o acompanhamento dos trabalhos de casa por eles mesmos, são as explicações, são os apoios escolares e nada parece resultar.
- "O meu filho não aprende como os outros. Tem imensas dificuldades na leitura e a escrita... é só erros!
Estas perguntas antes de serem feitas pelos pais ou pelos professores já há muito habitam na cabecinha da criança. Ela é a primeira a constatar que é diferente dos seus pares, ela é a primeira a perguntar-se: "Se os meus amigos conseguem ler e escrever corretamente, porque é que eu não sou capaz?"
É a partir desta constatação sofrida que a autoestima do aluno começa a baixar significativamente ao ponto de se julgar "burro", menos capaz, menos inteligente... Tudo "menos".
Confirmado o diagnóstico de dislexia urge desmistificar o termo junto dos pais e sobretudo junto do aluno. Ser disléxico nada tem a ver com inteligência, aliás estes alunos apresentam um Q.I. igual ou superior ao esperado para a sua faixa etária.
Quando lhes digo isto, eles suspiram sempre "quase" de alívio, como se uma tonelada de problemas se esbatesse ali mesmo! Digo-lhes, ainda, que a nossa "missão" para além de uma reeducação especializada é descobrir a sua área forte (normalmente, ligada às artes, música, desporto...). E eles ficam muito surpreendidos pela possibilidade de descobrir essa "tal área forte"! E de facto esta "descoberta" é muito importante, será uma forma de eles recuperarem a sua autoestima, o seu autoconceito e de voltarem a gostar de ir à escola.
O diagnóstico, a desmistificação, a reeducação nos processos da leitura e da escrita acrescida à descoberta e otimização da área forte de cada um, diz-me a experiência, são fatores-chave para ultrapassar o sofrimento solitário e silencioso de que estas crianças e jovens são "vítimas" durante muitos anos, quando não diagnosticadas.
O aluno com dislexia devidamente intervencionado pode fazer tudo o que os outros fazem, com o dobro do esforço é certo, mas com a firmeza na crença de que nada o impede intelectualmente.
Estes alunos devem ser referenciados nas escolas pelos pais ou professores ou técnicos de saúde, terapeutas... o mais precocemente possível, para que seja elaborado um relatório técnico-pedagógico para poderem usufruir de algumas medidas educativas consagradas no Decreto-Lei 3/2008, nomeadamente: apoio personalizado (fundamental); adequações no processo de avaliação (não cotação dos erros tipo, por exemplo, a leitura dos enunciados, provas escritas mais curtas e frequentes...) e em última estância dependendo caso a caso, as adequações curriculares. Estas medidas farão parte do programa educativo individual do aluno e protegê-lo-ão legalmente, incluindo nos exames nacionais.

Manuela Cunha Pereira

Retirado daqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eis o brutal aumento de impostos!

por alho_politicamente_incorreto, em 15.01.13

Simulador do salário líquido

aqui

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Artigo publicado no jornal "Correio de Albergaria", de 09.01.2013.

por alho_politicamente_incorreto, em 15.01.13

Mágoas de grandeza

 

Por José Manuel Alho

 

Numa deliberação votada pela maioria dos membros presentes, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) deliberou que a lei que estipula que o presidente de uma autarquia não pode cumprir mais de três mandatos consecutivos se aplica apenas na mesma autarquia.

Com efeito, a CNE defende que a limitação à renovação sucessiva dos mandatos dos presidentes de câmara “é restrita ao exercício consecutivo de mandato como presidente de órgão executivo da mesma autarquia”. Além disso, refere a comissão, a lei, datada de 29 de agosto deste ano, “não estabelece qualquer limitação a que um cidadão eleito para três mandatos consecutivos como presidente de um órgão executivo autarquia local se candidate ao exercício da mesma função, na eleição autárquica seguinte ao terminus do terceiro mandato consecutivo, em outro órgão executivo de outra autarquia local”.

Confesso discordar deste entendimento pelo que ouso juntar-me a eminentes juristas e agentes políticos que já assumiram perfilhar outra opinião. Em boa verdade, a legislação em apreço foi sempre interpretada e acolhida como forma de impedir a eternização de caciques de toda a ordem, viabilizando a renovação de gerações de decisores autárquicos. Mas como neste país a Lei parece ter sido feito para burro ler e esperto interpretar, creio que muitas populações sairão defraudadas porque a realidade acabará por impor uma rotatividade de pessoas e vícios que ajudará a perpetuar uma casta de personagens há muito fora da validade.

"Mas como neste país a Lei parece ter sido feito para burro ler e esperto interpretar, creio que muitas populações sairão defraudadas porque a realidade acabará por impor uma rotatividade de pessoas e vícios que ajudará a perpetuar uma casta de personagens há muito fora da validade.

Ainda assim, não foi possível derrubar a integralidade do princípio da limitação à renovação sucessiva de mandatos. Um pouco por todo o país temos assistido ao princípio de muitas depressões em gente que não sabe sair porque a sua noção de serviço público sempre se resumiu à satisfação dos seus interesses e das trupes que os sustentam.

Mesmo à custa da reorganização administrativa em curso, o desfile de malabarismos, piruetas e oferecimentos para as mais diversas cambalhotas tem sido tão esclarecedor como deprimente. Casos há em que deve elogiar-se a sensatez de alguns diretórios nacionais dos principais partidos que têm chumbado proposituras absolutamente delirantes. Constata-se assim que o exercício do Poder, assente numa lógica extremista de afirmação iminentemente pessoal, esmagando ou secando tudo à (sua) volta, penaliza o protagonista invariavelmente abandonado e relegado para situações das quais tudo fez para fugir.

Na verdade, o Poder extasia quando não corrompe. É um afrodisíaco que rapidamente se converte no oxigénio essencial de quem não soube ou não estava preparado para o encarar como um MEIO para TRANSITORIAMENTE cumprir a coisa pública.

Daí que para muitos os próximos meses sejam os tempos do fim. É hora de se ficar mais humanizado e doce no trato. É altura de parecer aquilo que não se sente. Viverão a antecâmara do regresso às origens, atormentados pelo confronto, cada vez mais próximo, com aqueles que chegaram a esconjurar. Para os que souberem e puderem contornar essa inevitabilidade, a tortura da ausência do Poder deixá-los-á mergulhados num abatimento do qual só alguns regressarão. Típico. Mágoas de grandeza.

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Por André Soares Ferreira.

por alho_politicamente_incorreto, em 14.01.13

2012 by Pedro.

 

Uma adaptação de André Soares Ferreira,

baseada nos depoimentos de Pêpa Xavier  

 

»2012 foi um ano de altos e baixos. Mas no final eu acho que foi um ano positivo, tipo, teve coisas ótimas. Anunciei a suspensão das reformas antecipadas em Abril, foi tipo, aquele alivio... Depois passado, o quê? 2 meses, começou o Euro... Tive menos tempo é verdade... Mas estou a trabalhar com o Gaspar. É uma coisa que eu gosto, é uma coisa que me dá prazer... e estou a gostar imenso. Tem sido um balanço muito positivo. Em 2012, também fui agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do mérito da Polónia e também foi muito gratificante, porque é sempre bom sermos reconhecidos por aqueles que trabalham na crise e o facto de me terem distinguido quer dizer que eu tenho uma voz e que o meu governo é importante e portanto fiquei super feliz. ... Para 2013, desejo: 2013 pode ser um ano de sorte ou de azar, não é? Espero que seja de muita sorte. Quero muita sorte para 2013. É o meu primeiro desejo – muita sorte. Desejo ter mais tempo para mim.

"Acho, que preciso de tempo para mim, tempo pessoal...

Acho, que preciso de tempo para mim, tempo pessoal... tempo para estar com os meus deputados, com a minha Laura, não estar sempre no escritório. Olha, desejava de comprar – sei lá – isto é um desejo um bocado consumista... adorava ter um presidente da república clássico, daqueles presidentes clássicos... um daqueles Barack Obama em preto. É clássico! Mas dá-se bem com tudo e gostava de ter um... Até já estou a juntar dinheiro... Mas acho que era uma conquista conseguir comprar um presidente que eu adoro com o meu dinheiro. Eu acho que era uma conquista pessoal. Desejo impostos, impostos também é importante... porque é um equilíbrio, e nós precisamos desse equilíbrio para evoluirmos nos nossos projetos. Quero ter mais projetos com o partido, quero fazer mais coisas, quero fazer coisas engraçadas, diferentes, ter mais atividade, ter conteúdo original. Coisas que nos preenchem, gostava, gostava disso.» (sic)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pois...

por alho_politicamente_incorreto, em 13.01.13

Um desejo para 2013


Autoria e outros dados (tags, etc)

Por Bruno Nogueira - Tubo de Ensaio da TSF.

por alho_politicamente_incorreto, em 12.01.13

Os desejos de Pepa

(clicar na imagem para ouvir)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Google Tradutor


Repto


No meio da rua...


Alhadas passadas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Assinantes de feed

ASSINE NOSSO FEED

Feed

Gadget by Feed Burner modificado por bloggerenciado

Links

Educação

Outros BLOGS

Recursos